Guarita Web Rádio Logo

BALEIAS-FRANCAS JÁ ESTÃO SENDO AVISTADAS EM TORRES

Guarita Web Rádio08/16/2019131

Guarita Web Radio | BALEIAS-FRANCAS JÁ ESTÃO SENDO AVISTADAS EM TORRES |

As baleias já estão aparecendo em Torres. Nos últimos dias, já foram avistadas, as primeiras Baleias-Francas com filhotes – conforme relatos de cidadãos e também através do belo registro fotográfico feito pelo Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul (GEMARS) . “Quem visita o Morro do Farol, pode encontrar seguidamente no local, a realização de um bonito trabalho realizado pelos pesquisadores do Projeto Farol da Baleias, fazendo a observação e contagem das baleias-francas. O Morro do Farol é um dos melhores locais em nosso litoral para observar as baleias sem perturbá-las. De julho a outubro, as baleias-francas podem ser normalmente vistas bem próximas à praia, entre a Ilha dos Lobos e a zona de arrebentação das ondas”, ressaltam os pesquisadores do GEMARS.

Projeto Farol de Baleias

O Projeto Farol das Baleias é um programa de pesquisa desenvolvido pelo Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul (GEMARS). A primeira edição do projeto ocorreu em 2002, com o financiamento da Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Atualmente, o projeto conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Torres e da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs). De julho a outubro de cada ano, os pesquisadores do Projeto realizam diariamente o trabalho. O objetivo principal do projeto é compreender quantas baleias-francas e de que forma elas utilizam essa região. Em 2018, os pesquisadores do projeto registraram um total de 113 grupos, sendo cerca de 40% de fêmeas com filhotes.
De acordo com informações do GEMARS, no litoral de Santa Catarina, as baleias-francas são monitoradas também pelo Instituto Australis. No primeiro sobrevoo realizado nesta temporada pelo instituto, no final de julho, quinze baleias-francas foram avistadas nas águas de Santa Catarina. Anualmente, cerca de 100 indivíduos são registrados ao longo dos meses de inverno e primavera no Sul do Brasil. No passado, se acreditava que o Rio Grande do Sul era apenas uma rota para as baleias-francas chegarem à Santa Catarina. Hoje, entretanto, sabe-se que o litoral do Rio Grande do Sul é também utilizado como área de reprodução e nascimento de filhotes.
Além do desenvolvimento da pesquisa científica, o projeto visa também incentivar o turismo sustentável voltado à observação das baleias-francas na região. Atualmente, a ocorrência das baleias está sendo informada diariamente pelos pesquisadores por meio das redes sociais. Nos finais de semana, uma tenda com informações é montada no Morro do Farol para divulgar o projeto junto aos turistas e moradores, de forma a ampliar o próprio turismo para observação de baleias no município. Com este intuito, o projeto será apresentado ainda este ano ao Conselho Municipal do Meio Ambiente de Torres.

Crédito das Fotografias: Daniel Danilewicz do GEMARS

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE A BALEIA-FRANCA

Nome popular: Baleia-Franca
Nome científico: Eubalaena australis
Tamanho (adultos): 18 metros de comprimento. Massa corporal: 55 toneladas.
Tempo de Gestação: 11 meses.
Tamanho dos filhotes: Nascem com cerca de 5 a 6 metros de comprimento.
Tempo de Amamentação: usualmente, 6 meses, podendo-se prolongar até 12 meses.
Tempo de Vida: mais de 60 anos.

Principais características: O borrifo, que usualmente é a primeira pista que temos sobre a presença das baleias-francas, tem forma de “v” e pode alcançar até 5 metros de altura. O corpo é negro, com manchas brancas irregulares na barriga. Não possui nadadeira dorsal. Nadadeiras peitorais largas e em forma de espátula. Cabeça coberta por calosidades, contendo cracas e “piolhos-de-baleia”. Estas calosidades são únicas para cada baleia, permitindo o reconhecimento individual, da mesma forma que as impressões digitais são utilizadas em seres humanos.
Comportamento: A baleia-franca realiza migrações anuais entre as áreas de alimentação e reprodução. Durante o verão, as baleias se alimentam de pequenos organismos marinhos nas regiões subantárticas. No outono, as baleias migram para regiões mais quentes, como o sul do Brasil, para acasalamento, nascimento e amamentação de seus filhotes.
Conservação e Ameaças: A baleia-franca foi intensamente caçada no passado. No Brasil, a espécie foi caçada comercialmente até 1973. Nos últimos anos, as populações vêm mostrando sinais de recuperação, mas a espécie é ainda considera ameaçada de extinção. Com a proibição da caça, as maiores ameaças à conservação da espécie atualmente são as colisões com embarcações, os emalhamentos em redes de pesca e o molestamento ocasional por barcos de turismo.


Fonte: Jornal A FOLHA